Publicidade

publicidade

http://uauhost.com.br http://uauhost.com.br Olá! Seja bem Vindo(a) ao Maior Portal de Notícias do interior do Estado da Bahia. Você bem Informado...  Jaguarari-BAHIA,

CARTA ABERTA À POPULAÇÃO JAGUARARIENSE EM GERAL, E EM ESPECIAL AOS SENHORES VEREADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE JAGUARARI

À iminência da apreciação e da votação das Contas Públicas da Gestão do ex-prefeito, o Senhor Antônio Ferreira do Nascimento, relativas aos exercícios financeiros 2014, 2015 e 2016, proponho uma reflexão à forma como os atos concernentes à votação e seus respectivos resultados podem impactar a política local pelos próximos anos e interferir no poder de escolha da população envolvida.

Observo semelhanças entre o momento futuro de Jaguarari e o passado recente do município vizinho (Senhor do Bonfim). E por isso mesmo, tomo a liberdade de alçar minha reflexão nos conselhos do saudoso Paulo Batista Machado, quando esse discorria sobre a necessidade de sensatez para julgamento das contas de seu predecessor Carlos Brasileiro.

Antes que eu seja tachado de petista, saliento que meu último vínculo com este Município, data de 31 de março de 2008. Portanto, não participei da gestão de Seu Antônio, que ocorreu entre os anos 2009 e 2016. Também, não sou filiado ao PT, sou presidente do PROS (Partido Republicano da Ordem Social), que no último pleito local apresentou como candidato à chefia do Executivo Municipal, o senhor “Cristovão Donato”, e elegeu, junto às coligações, às cadeiras da vereança, os edis Dourival Borges, Josimar Zuza, Marcos Quito e Paulo Morgado. De modo que, minha posição política foi declaradamente de oposição ao ex-prefeito “Seu Antônio”, que por sua vez, apoiou, sem êxito nas urnas, o candidato próprio do PT, senhor Antonio Carlos Xavier. Assim, peço que por honestidade intelectual e bom senso, não me classifiquem de petista, nem me atribuam a condição de defensor de uma gestão que desde o início não apoiei.

Feitos esses esclarecimentos, sinto-me à vontade para externar minha percepção sobre o vindouro julgamento de contas da gestão municipal jaguarariense passada:

Tramita na Câmara Municipal de Jaguarari, desde 20/04/2017, as contas do ex-prefeito Antonio Nascimento, relativas ao exercício financeiro-2014 e futuramente tramitarão as contas dos dois exercícios financeiros seguintes. Todas devendo ser submetidas à avaliação e emissão de Parecer pela Comissão de Orçamento e Finanças, da Câmara, composta pelos edis Dourival Borges da Silva (Presidente), José Narciso dos Santos (Relator) e Valdemilson dos Santos Vieira (Membro), cabendo à Mesa da Câmara, por intermédio de seu Presidente, o Senhor Márcio José Gomes de Araújo, pautá-las.

Para que as contas do ex-gestor não se tornem óbice a uma futura e eventual candidatura a algum cargo eletivo, são necessários cinco votos contrários à sua rejeição. Caso isso não ocorra, Seu Antônio passa a fazer parte da ignonímia lista dos “ficha suja”, não podendo, nessa condição concorrer a nenhum cargo eletivo, desde a rejeição de suas contas.

Se isso ocorrer, é provável que Jaguarari tenha de abrir mão de um nome cuja influência e força política nas esferas estadual e federal foram demonstradas ao longo de sua gestão municipal.

E antes que alguém de visão limitada julgue que Jaguarari não precisa dessas forças, ou que não fosse essa influência, o município amargaria oito anos de ausência de obras – já que aquelas com recursos próprios foram tímidas durante a gestão de Seu Antônio –, lembremos que política, enquanto barulho, se faz até em casa, entre vizinhos e até entre desafetos nas ruas; mas gestão política não se faz nesses espaços e nem num gabinete fechado de uma Prefeitura tomado de espírito de autossuficiência. Afinal, o Brasil é uma República Federativa, na qual os entes federados (Municípios, Estados e a União), por intermédio dos poderes constituídos, devem atuar de forma que mutuamente se ajudem a promover o bem-comum. E sem as forças externas, o risco de ficarmos apenas com as eventuais fraquezas internas é significativamente aumentado no ente mais próximo de nós, que é o Município.

E fazendo minhas as palavras de Paulo Machado, o “professor”, conforme ele mesmo gostava de ser identificado, o “amor por essa terra” tem de ser maior que a pequenez do revanchismo e da política inconseqüente.

Aliás, se o revanchismo for pano de fundo às votações, a Jaguarari que queremos para o futuro poderá não passar de “pano de chão” a limpar a sujeira que nós mesmos poderemos promover contra qualquer ambição de progresso que esta cidade porventura possa aspirar. Não que o futuro dependa de uma pessoa apenas, mas da possibilidade e escolha de muitas, entre as melhores opções. Ou, noutras palavras: que Jaguarari queremos projetar para 01/01/2021?

Ainda temos três lideranças vivas em nosso município: uma que ama muito o povo e muito o município (e está inelegível); outra que ama menos o município e mais o povo (e está inelegível) e por fim, uma que ama menos o povo e mais o município (vamos torná-lo inelegível também?).

Se aplicarmos ao último o que fora aplicado aos dois primeiros, o que nos restará para escolha?

 Um empresário com alma de empresário?
 Um aventureiro com alma de empresário?
 Um aventureiro com alma de aventureiro?

Outra possibilidade seria: nenhuma das alternativas (um mal menor para tanto mal).

Corremos o risco ainda de, não aprendendo com o passado, perpetuar a visão maniqueísta do “nós contra eles”; ou da torcida viciada, cuja razão para torcer é “quanto pior melhor”.

O que fazer então, lideranças políticas, que outrora, de oposição sem voz, agora se tornam situação com vez? – Vingar-se? – A vingança é sempre má conselheira!

“De certo, ao exercer a vingança, o homem iguala-se ao inimigo; mas passando sobre ela, é-lhe superior; porque é próprio do príncipe perdoar” (Francis Bacon). Além do mais, o inútil e indesejável sentimento de vingança, deve se sobrepor ao sentimento nobre de deixar que a história e as urnas decidam quem deve ou não continuar na empreitada de representar o povo.

Mas, o que esperar de uma decisão política? – Eis o problema!

Texto: Edmilson Borges da Silva, servidor público (Professor Nível Médio da Prefeitura Municipal de Senhor do Bonfim e Assistente de Plenário da Câmara Municipal de Jaguarari).

5 comentários:

  1. Pessoal do portal tem q postar o meu comentário pois estamos num país democrático foi uma postagem técnica e não agressiva sobre a carta desse cidadão

    ResponderExcluir
  2. Somos todos jaguararienses só queremos uma jaguarari melhor então vamos deichar esses prefeitos q já passaram nunca mas ser gestor desse municipio chega de malandragem vamos deichar o atual gestor trabalhar em paz seu Antonio o seu tempo já passou

    ResponderExcluir
  3. Prescisamos de uma pessoa cm uma visao assim como o sr edmilson borges da silva se liga povo jaguarariense ainda ha espetança

    ResponderExcluir
  4. E de pessoas com horadez q nosso jaguarari precisa parabens pela atitude meu velho vc e um exemplo

    ResponderExcluir
  5. Poxa ainda não publicaram o questionamento foi algo sem ofensas foi saudável e democratico??????

    ResponderExcluir