'Lesões foram graves e colocaram em risco a vida de Bolsonaro', diz médico

O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) não deverá receber alta hospitalar antes de "uma semana ou 10 dias", disse em coletiva de imprensa na noite desta quinta-feira (6) o médico Luiz Henrique Borsato. Ele falou a jornalistas na Santa Casa de Juiz de Fora (MG) onde o candidato está internado após ser alvo de uma facada durante ato de campanha nesta tarde.

“Antes de uma semana ou dez dias ele não vai receber alta”, afirmou o médico, ressalvando no entanto que "não tem como dar certeza" do tempo preciso que o candidato permanecerá hospitalizado.

Lesões

Os médicos disseram que houve o rompimento de uma veia no abdômen e lesões no intestino delgado e no instestino grosso. Houve uma contaminação fecal no abdômen.

"O que houve foi um sangramento na veia abdominal, que logo foi estancado, e lesões nos intestinos grosso e delgado. Foi retirada a parte lesada do intestino grosso e o intestino delgado foi costurado", disse Borsato. "As lesões internas foram graves e colocaram em risco a vida do paciente."

O candidato passou por uma cirurgia e deverá ser submetido a outra operação para reverter a colostomia, realizada em caráter temporário.

Borsato disse ainda na entrevista coletiva que não foi constatada nenhuma lesão no fígado de Bolsonaro, e que não sabe de onde veio esta informação.

Bolsonaro está consciente e irá passar a noite na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Os profissionais também afirmaram que não há como precisar o tempo que o candidato passará na unidade, onde já recebeu a visita de dois filhos.

"Ele está consciente, já acordou, reconheceu os filhos", disse Borsato.

Segundo o último boletim médico, Bolsonaro é considerado um paciente grave que está submetido a cuidados intensivos no (Centro de Tratamento de Terapia Intensiva) CTI. Na noite desta quinta, ele apresentava quadro estável.

O médico afirmou também que o candidato chegou à unidade "com uma camisa amarela, sem colete de proteção".

Transferência
Cícero Pena disse que a transferência de Bolsonaro para outro hospital é uma opção da família, mas que neste momento o presidenciável não tem condições de ser levado para outro local.

O médico Luiz Henrique informou que uma equipe do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, estaria a caminho para Juiz de Fora. A previsão que os profissionais cheguem à cidade por volta das 0h. Há ainda a previsão de que seja divulgado um novo boletim médico às 10h30 de sexta-feira (7).

G1

Nenhum comentário