Pai e dois primos de ciganos mortos são presos com armas para tentar vingança na Bahia, diz polícia

Foto: SSP-BA
O pai e dois primos de dois ciganos mortos na noite de quarta-feira (27), na cidade de Angical, oeste da Bahia, foram presos com armas quando tentariam vingança pelo crime. A informação é do delegado substituto de Angical, José Romero Vasconcelos Cavalcanti. Outro cigano morreu e mais quatro foram baleados no tiroteio, que foi motivado por ciúmes.

Adriano Ferraz da Silva, é pai de Ramon Ferraz de Souza, de 19 anos; e Felipe Ferraz de Souza, de 15 anos. Os primos deles são Lindomar Alves de Souza e Jedeenio Alves de Souza. O trio foi preso pela Polícia Militar na quinta-feira (28).

De acordo com o comandante da 84ª Companhia Independente da Polícia Militar, capitão Cristiano Gama, a polícia recebeu informação de que o pai de duas das vítimas chegaria no Hospital do Oeste, localizado em Barreiras, a cerca de 45 km de Angical, onde três dos quatro feridos estão internados, para vingar a morte dos filhos. O policiamento na unidade médica foi reforçado.

Outras três mulheres que tinham sido presas com armas e autuadas por porte ilegal foram liberadas após o pagamento de fiança. Inicialmente a polícia tinha divulgado que quatro mulheres tinham sido presas. Um menor que estava com as mulheres também foi levado para a delegacia e liberado.

Investigação
O tiroteio entre ciganos na cidade de Angical foi causado por uma briga entre dois homens, por conta de cíumes, segundo informações do delegado Francisco de Sá. “Existia ali, naquele local, em Angical, duas comunidades ciganas: uma de Ibotirama e aquela que mora em Anjical. Iniciaram uma bebedeira ali, um mexeu com a mulher do outro e houve uma animosidade, uma discussão”, afirmou o delegado.

Além de Felipe e Ramone, também foi morto Mailson da Cruz Ferraz, de 26 anos. Não há informações sobre o sepultamento dos corpos. Segundo a polícia, pelo menos um dos ciganos mortos tinha passagem por homicídio.

Um dos quatro feridos, identificado como Michel Pereira Braga, recebeu alta do Hospital do Oeste, em Barreiras, e foi preso. Ele diz, entretanto, que não participou da troca de tiros. “A encrenca é deles, eu não tenho nada a ver com a encrenca deles. Eu vim com o menino da minha cidade, que me chamou para vir acompanhando ele”, disse o homem.

A polícia ainda informou que irá instaurar um inquérito para apurar a apreensão das armas. A suspeita é de que a família realizava a venda ilegal dessas armas.

O crime ocorreu no bairro de Santana, por volta das 18h50. Os feridos foram socorridos pelo Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) e por ambulâncias da prefeitura da cidade para o Hospital do Oeste, localizado em Barreiras, a cerca de 45 km de Angical. O estado de saúde deles é desconhecido.

G1/BA

Nenhum comentário